A economia brasileira enfrenta nesse ano uma combinação nefasta: inflação de dois dígitos com recessão.

Até dezembro, a expectativa é que a atividade dê marcha à ré e caia mais de 3%, com a inflação ultrapassando os 10%. É um salto de quatro pontos em relação ao aumento do custo de vida registrado no ano passado (6,41%). A última vez que a inflação bateu dois dígitos foi em 2002, mas nesse ano não houve recessão.

A disparada dos preços – puxada por choque tarifário, desvalorização do real e escalada dos serviços – provoca um desconforto no padrão de vida das pessoas. “Os brasileiros ficaram mais pobres este ano, tanto pelo aumento da inflação como pela retração da atividade”, afirma o economista Heron do Carmo, professor da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo e um dos maiores especialistas em inflação.

Ele observa que a inflação combinada com recessão tem um efeito devastador: faz com que as pessoas se sintam mais desconfortáveis, afeta a confiança de consumidores e tem reflexos políticos. Esse desconforto já apareceu no carrinho do supermercado. Pela primeira vez nos últimos dez anos, as vendas do setor devem fechar no vermelho, segundo a Associação Brasileira de Supermercados. De janeiro a outubro, o recuo foi de 1,02%.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Deixe um comentário