Fechamento de fábrica da 3M revela que ‘indústria está ao deus-dará’, diz Dieese

By
Updated: janeiro 26, 2021

Fausto Augusto Junior afirma que mudanças são reflexo do processo de desindustrialização do país

Fausto Augusto Junior, diretor técnico do Dieese, afirma que essas mudanças, como a da fábrica da 3M, são reflexo do processo de desindustrialização do país e que se agravou, nos últimos cinco anos, após o impeachment de Dilma Rousseff. “O setor automotivo tem preferido importar produtos do México, os eletroeletrônicos estão vindo da China. Sem uma política industrial que incentive a produção local, vamos assistir a um país que encolhe sua produção industrial. A indústria está ao deus-dará”, disse à R.B.A.

 
 

Dinâmica econômica

Com a reforma trabalhista, realizada durante o governo de Michel Temer (MDB), o poder de compra do trabalhador foi reduzido. Fausto explica que o Brasil perdeu seu dinamismo econômico, reduziu a demanda e aumentou a concentração de renda.

“É bom lembrar que, desde 2016, todas as políticas de proteção à indústria nacional foram desmontadas, o que acelerou a saída das empresas e caminhamos para ser um país apenas agroexportador”, acrescentou o especialista.

O diretor técnico do Dieese rebate o argumento das empresas, que justificam suas saídas por conta do “custo-Brasil” – termo usado para definir um conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas, trabalhistas e econômicas que atrapalham o crescimento da produção industrial.

“Sempre que o mercado fica frágil, o conjunto de empresários tenta recolocar a culpa no “custo-Brasil”, sem especificar o que é. Eles mesmos tentam reduzir os direitos dos trabalhadores cada vez mais. O fato é que quando há demanda, a produção nacional fica aquecida. O que puxa o investimento é seu mercado, a perspectiva de boas vendas, o que não há”, finalizou. (RBA)

Foto: DIVULGAÇÃO

 

You must be logged in to post a comment Login