Pesquisa CNI/Ibope mostra abismo entre expectativa e realidade da gestão Bolsonaro

By
Updated: abril 24, 2019
Em dezembro de 2018, 69% diziam que ele faria um governo ótimo ou bom. Passados três meses como presidente, apenas 35% ainda avaliam seu mandato da mesma forma
 
 

São Paulo – Pesquisa divulgada nesta quarta-feira (24) pelo Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), revela o abismo que existe entre a expectativa que os brasileiros tinham com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e a realidade após três meses de governo. Em dezembro de 2018, 69% da população acreditava que ele faria um governo ótimo ou bom. Com pouco mais de 100 dias no cargo, somente 35% avaliam o governo como ótimo ou bom. Outros 27% consideram a gestão ruim ou péssima e 31% avaliam como regular. A pesquisa ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios, entre os dias 12 e 15.

Dos entrevistados, 45% afirmam não confiar no presidente e 40% desaprovam sua maneira de governar, ante 51% que confiam e aprovam a forma de agir. A avaliação de Bolsonaro é pior na região Nordeste, onde 40% da população avalia o governo como ruim ou péssimo, enquanto 25% o avaliam como ótimo ou bom e 35% como regular. Ele é melhor avaliado entre os mais ricos. O percentual de ótimo ou bom sobe de 27%, entre os brasileiros com renda familiar até um salário mínimo, para 45%, no grupo com renda familiar acima de cinco salários mínimos.

A pesquisa CNI/Ibope também comparou a aprovação de Bolsonaro com a dos antecessores, desde Fernando Collor. E ele tem a pior taxa de aprovação em primeiro mandato, entre os presidentes eleitos, após 100 dias de governo. Enquanto o ex-militar tem 35% de ótimo ou bom, Collor tinha 45%, Fernando Henrique Cardoso tinha 41%, Luiz Inácio Lula da Silva teve 51% e Dilma Rousseff, 56%.

Na avaliação por área de atuação, 49% dos entrevistados desaprovam as ações do governo no combate ao desemprego e 47% desaprovam suas políticas no combate à fome. Junto a saúde, impostos e taxa de juros, essas são as áreas com a pior avaliação popular. Em segurança pública (57%), educação (51%) e meio ambiente (48%), o presidente tem os maiores percentuais de aprovação.

Apesar da aprovação bem inferior à expectativa, não foram as denúncias de corrupção no partido do presidente, com candidaturas de laranjas para desviar dinheiro público do fundo partidário, ou a ligação da família Bolsonaro com grupos milicianos do Rio de Janeiro que atingiu a imagem do presidente. Esses casos foram pouco ou nada mencionados quando os entrevistados foram perguntados sobre que notícias lembravam do governo. Apenas 1% dos ouvidos mencionou o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro Fabrício Queiroz.

Para 39% dos entrevistados, o noticiário tem sido mais desfavorável ao governo. Outros 23% consideram que tem sido mais favorável. As notícias mais lembradas pela população se referem à reforma da previdência e às viagens do presidente. A reforma foi lembrada por 15% dos entrevistados e as viagens por 12%, sendo as mais lembradas as para Israel e Estados Unidos. Outros temas lembrados por 2% a 4% dos entrevistados foram a crise no Ministério da Educação, aumentos de preço dos combustíveis, 13º para o Bolsa Família e ações de segurança pública.

 

You must be logged in to post a comment Login